Artigos Segunda-Feira, 24 de Setembro de 2018, 15h:49 | - A | + A

GILBERTO FIGUEIREDO

O “apartheid” profissional

GILBERTO FIGUEIREDO

 

A atual administração municipal se mostra incontestavelmente calamitosa quando o assunto é Educação. Após os reiterados processos seletivos turbulentos e a falta de profissionais nas unidades educacionais, agora, a Prefeitura de Cuiabá propõe um claro “apartheid” – digo, uma segregação não racial, mas sim profissional – entre os servidores da Educação municipal.

 

 

 

Ao propor que o reajuste salarial de 4% seja destinado apenas aos profissionais efetivos, o executivo exclui do mapa e invalida todos os 4.105 profissionais contratados, que configuram quase 50% de todo o contingente.

 

 

 

É claro que, diante da postura que parte do executivo, o Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público Municipal (Sintep) anunciou uma possível greve ainda em setembro, ação que paralisaria todas as escolas municipais de Cuiabá.

 

Primeiramente, é preciso dizer que tal proposta, encaminhada pelo prefeito Emanuel Pinheiro, contraria a legislação. A lei orgânica dos profissionais da Educação diz, muito claramente, que os direitos coletivos não podem ser negligenciados – e o ganho real é um direito coletivo.

 

 

 

Neste contexto, o executivo age como se houvesse alguma diferença entre o trabalho executado por efetivos ou contratados. Ao desagregar a classe, a medida também joga uma cortina de fumaça na autoestima dos mais de nove mil servidores que se doam para uma Educação mais justa e eficaz.

 

 

 

Acredito que, do mais humilde servidor ao mais graduado profissional da área da Educação, todos merecem o reconhecimento. Como presidente da Comissão de Educação da Câmara Municipal, manifesto o meu repúdio por essa proposta e reitero que, caso vá adiante, decidirei por interpor um Mandado de Segurança junto ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

 

 

 

Com o alerta vermelho do Sintep, reforço que o executivo municipal precisa, mais que urgentemente, olhar com carinho e humanização para a Educação. Não acho justa, muito menos digna, a ideia de segregar profissionais e, sobretudo, desagregar pessoas.

 

 

 

GILBERTO FIGUEIREDO é vereador por Cuiabá.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

Copyright 2018 PNB ONLINE - Todos os direitos reservados. Logo Trinix Internet