Artigos Segunda-Feira, 02 de Abril de 2018, 11h:20 | - A | + A

LOUREMBERGUE ALVES

O peso do latifúndio

LOUREMBERGUE ALVES

Em ano político-eleitoral, o governante torna-se vidraça, e, como tal, recebe todo tipo de pedradas. Estas se multiplicam e vêm de várias direções, lançadas por diversas mãos. Inclusive por quem, até outro dia, não saíam dos corredores do Palácio, viviam das benesses do poder e tinham a bajulação como arma de conquista.

 

Conseguiam de um tudo. Mesmo assim, fizeram-se descontentes. Querem bem mais do poder, que já os servia, e não a população. Por isso, quebraram os próprios silêncios. Suas vozes se somam, agora, aos da oposição, a qual não tinha forças para reagir, nem capacidade para construir uma candidatura para brigar pela poltrona central do Palácio Paiaguás.

 

Falou-se, é verdade, em um dos conselheiros afastados, que até ensaiou sair-se para a eleição. Mas a decisão monocrática de um ministro do STF, provocada pela Procuradoria-geral da República, sustentada pela delação do ex-governador-peemedebista, barrou-lhe o pedido do passaporte para a disputa. Delação que mexeu com o posicionamento dos atores do cenário político-eleitoral, além de comprometer outros nomes. Inclusive dois senadores. Um deles, o republicano, retirou-se taticamente de cena. Reapareceu com a liberação do FAX, em dezembro passado.

 

Foi estratégico. Justo no momento em que o governo se vê sem forças para escapar do redemoinho criado por ele mesmo. Parte das forças que o apoiavam, pulou fora. Saiu-se para a pista de dança, com o velho e surrado discurso de "novo momento para o Estado", tendo na condição de porta-bandeira um ex-prefeito e um ex-governador, e se autoapresentando como portador de um "projeto alternativo de gestão".

 

Projeto inexistente, sem qualquer chance de ser escrito. Sequer rascunhado. E, se vitorioso, adotará uma vez mais a improvisação. Igualmente o que se teve no passado e se tem no presente. Por isso, a falta de planejamento e de planos de ações. Tanto que a reforma administrativa, tão prometida na campanha de 2014, foi esquecida.

 

Daí o tamanho desnecessário da máquina administrativa do Estado, com gabinetes e secretarias com as mesmas funções de outras pastas, a exemplo do Gabinete de Desenvolvimento Regional, cuja função é coordenar e planejar em conjunto com a Seplan, as políticas de desenvolvimento regional. Bastava claro, tão somente um núcleo de trabalho dentro da Secretaria de Planejamento. Esta também deveria contar com outro núcleo para se ocupar do trabalho do Gabinete dos Assuntos Estratégicos. Um terceiro gabinete sem nenhuma utilidade é o de Combate a Corrupção, pois a CGE, com maior estrutura e mais capacidade, já faz esse papel.

 

Soma-se a estes gabinetes de desnecessidades, a Secretaria de Cidades, com tarefa que bem poderia ser tocada pela Sinfra. Não se justifica também uma pasta específica para a Comunicação, a qual poderia ser substituída com maior desenvoltura por uma equipe de trabalho diretamente ligada ou a Casa Civil ou ao gabinete do governador. A Secretaria de Justiça também deveria se juntar a de Segurança Pública. São sete pastas a menos. Número que pode facilmente se elevar para nove.

 

Então, a máquina da administração pública alcançaria o seu tamanho ideal, doze ou treze secretarias. Seria simplesmente fantástico. Bem mais ainda com o fim da maioria das superintendências e adjuntos. Não tem sentido os cinco adjuntos da Casa Civil e os sete da Educação, etc., etc. Cortes que resultariam em menor despesa e mais agilidade do governo. O atual governador falou em reforma, mas nada fizera nesta direção. Não fará também o governador que virá. Pois junto com ele, a exemplo do passado e do presente, virão partidos e políticos que se aproximarão na campanha eleitoral com o fim único de receberem seus quinhões: cargos e, como diz uma antiga música, "fatias que lhes cabe deste latifúndio". Não se espere, portanto, coisa alguma de extraordinário a partir de 2019. É isto.

 

LOUREMBERGUE ALVES é professor universitário e analista político.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

Copyright 2018 PNB ONLINE - Todos os direitos reservados. Logo Trinix Internet