Artigos Segunda-Feira, 02 de Julho de 2018, 09h:16 | - A | + A

ONOFRE RIBEIRO

Quem nos representará?

ONOFRE RIBEIRO

 

Nas eleições de 2018 assistiremos a um pleito rigorosamente sem partidos políticos disputando. Teremos siglas. Mas siglas não significam nada se não tiverem conteúdo orgânico.

 

No Brasil depois da redemocratização no fim do regime  militar em 1985, começou-se a criação de novos partidos. Partido pressupõe representar vertentes ideológicas da sociedade. Os militares não deixaram um conteúdo partidário significativo. A Arena era oficialmente o partido do regime. O MDB o opositor. Dentro dos dois cabia o mundo das ideologias da época.

           

Depois da Constituição de 1988, que é um balaio de confusões entre o parlamentarismo e o presidencialismo de coalização, nasceram partidos completamente desnecessários. Havia o PMDB, sem causas. A redemocratização matou-o. A Arena virou PFL que não tinha sentido ideológico.

 

O PSDB nasceu de uma rachadura do PMDB. Sem causas. O PT vinha desde 1980, nascido do sindicalismo, tomara a cara socialista e o discurso de oposição, tendo como pano de fundo a defesa dos trabalhadores. Causas confusas, mas orgânicas na época.

           

Em 1997, pra se reeleger em 1998, o presidente Fernando Henrique Cardoso provocou a aprovação no Congresso Nacional da lei 9.504/97, que iniciava o presidencialismo de coalização via coligações partidárias. Na prática as coligações iniciaram um sistema em que o presidente da República, governadores e prefeitos são eleitos pelos votos dos eleitores nos partidos coligados.

 

Isso foi aos poucos matando os partidos na medida em que perderam o mínimo de ideologia ou razão de existir.  Até mesmo o PT que elegeu Lula em 2002, perdeu a identidade no governo a partir de 2003.

           

A coalização permitiu lotear os governos entre os partidos coligados. No primeiro momento significou arejar o governo. Depois os líderes partidários perceberam a força dos negócios políticos, econômicos, empresariais e pessoais que lhes dava nos campos federal, estaduais e municipais.

 

A partir daí os partidos passaram a ter donos que os manobram e pingam dinheiro e poder na árvore que começa lá no municípios. Alimentam, aliados, negócios, empresas, concessões, prestação de serviços. Mas não abrem o seu poder.

           

Instalou-se a partir de 1998 a corrupção ampla, geral e desavergonhada no Brasil. Comandada pelas coalizações partidárias. Chegamos a 2018 sem um partido orgânico que justifique a sua razão de existir no meio de 35 irresponsáveis siglas vazias.

           

A eleição de 2018 vem recheada de nomes. Apenas nomes. A maioria não significa absolutamente nada pro eleitor. E a maioria dos que significam não recomendam. Democracia baseia-se em partidos cujo papel é amortecer as relações do eleitor da base com os lances do Estado. Estado forte demais, cidadão fraco demais. Ficamos assim!

 

ONOFRE RIBEIRO é jornalista em Mato Grosso.

onofreribeiro@onofreribeiro.com.br

www.onofreribeiro.com.br

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

Copyright 2018 PNB ONLINE - Todos os direitos reservados. Logo Trinix Internet