Terça-Feira, 12 de Junho de 2018, 08h49
Mulher é agredida por PM com puxões de cabelo e rasteira após desacato
Caso foi registrado em Araguaína, norte do Tocantins. Mulher estaria tentando impedir prisão do namorado e foi detida por resistência

DO G1

 

Uma mulher foi agredida com puxões de cabelo e uma rasteira durante uma operação policial em Araguaína, norte do Tocantins. O caso foi registrado neste domingo (10). Imagens gravadas por testemunhas mostram o momento em que a jovem é jogada ao chão por um homem. A Polícia Civil confirmou que o agressor é um policial militar que estava à paisana.

 

A PM informou que a mulher precisou ser imobilizada e que vai apurar se houve excessos por parte dos policiais durante a ação.

 

Conforme a Polícia Civil, a ocorrência começou após um acidente de trânsito na avenida Filadélfia. A Polícia Militar estaria prendendo um rapaz por desacato. Nesse momento, a jovem aparece no vídeo e começa a discutir com um militar fardado.

 

"A Polícia Militar informou que estava atendendo um acidente. O rapaz, que seria namorado da menina, parou no meio da rua atrapalhando o trânsito. Ele se recusou a sair e ainda xingou o policial. Nesse momento, eles derrubaram ele da moto e imobilizaram. A partir daí houve a confusão com a menina", relatou o delegado Fernando Rizério, que registrou a ocorrência.

 

As imagens mostram que a jovem aponta o dedo e chega a empurrar o militar fardado. Depois, o policial à paisana aparece por trás, agarra o cabelo da mulher e a joga ao chão. Ela levanta e novamente é derrubada, mas dessa vez com uma rasteira.

 

"Ela foi conduzida para a delegacia por resistência. A forma como o policial abordou não foi colocada no depoimento de nenhum dos dois. Ela não falou nada na delegacia e os militares também não", afirmou o delegado regional de Araguaína, Bruno Boaventura.

 

Ainda segundo o delegado, a jovem foi autuada por tentar impedir a prisão do rapaz e liberada para responder ao processo em liberdade. O delegado informou ainda que tomou conhecimento do vídeo, mas a investigação desse tipo de agressão não é feita pela Polícia Civil.

 

 

"A PM está autorizada a investigar estes casos em que há crime funcional de policial militar em serviço. Eles podem instaurar um inquérito policial militar para apurar isso. Não cabe à Polícia Civil investigar esse tipo de caso", explicou.

 

Polícia Militar

Em nota, a PM informou que a mulher "se encontrava muito alterada e foi presa juntamente com outro rapaz, por desacato e resistência, ao perturbarem e atrapalharem o atendimento de uma ocorrência de acidente de trânsito.

 

Disse ainda, que o "Comando do 2° BPM já determinou à Corregedoria da Unidade que analise as imagens, a fim de adotar a medida pertinente, qual seja a instauração de Sindicância Administrativa, a fim de esclarecer melhor os fatos e verificar se houve excessos, oportunizando aos Policiais Militares envolvidos o direito constitucional da ampla defesa e do contraditório."

 

Outro caso

Este é o segundo caso de agressão envolvendo policiais militares à paisana em menos de uma semana. Na última terça-feira (5), um vídeo feito no estacionamento do ginásio Ayrton Senna, na região sul de Palmas, mostrou o momento em que um homem sacou uma arma e começou a ameaçar pessoas que estavam no local.

 

Conforme testemunhas, se tratava de um policial militar que ficou incomodado com um ensaio de rimas de hip hop. O vídeo mostra o momento em que o homem pega uma caixa de som utilizada pelo grupo e atira ao chão.

 

 

Depois, chuta e pisa no objeto. Ele saca a arma e começa a apontar para quem passava pelo local. "Tá incentivando a vagabundagem aqui, vagabundo [...] vão procurar uma igreja", diz.


Fonte: PNB Online
Visite o website: http://pnbonline.com.br/